O Que os Nossos Clientes Estão a Dizer: Principais Tendências Empresariais para 2014

O Que os Nossos Clientes Estão a Dizer: Principais Tendências Empresariais para 2014
Nas minhas viagens, conversei com diversos clientes em todos os setores e regiões, desde empresas de produção na Europa a retalhistas na Ásia a hoteleiros na América Latina. À medida que nos aproximávamos do final de 2013, alguns temas chave surgiam nas minhas conversas que explicavam quais eram as necessidades emergentes dos clientes e para onde caminhava o setor de tecnologia. Por isso, com a chegada do Ano Novo, quais as tendências que deverão ser antecipadas pela sua empresa? Seguem-se algumas que vão desempenhar um papel na definição do ano novo:
Internet das Coisas: Uma Realidade. Todos conhecemos os desafios do Big Data; o volume, a velocidade e a variedade de dados são extraordinários. Os estudos confirmam a conclusão à qual muitos já chegaram: há mais dados a circular atualmente na Internet a cada segundo do que na Internet há 20 anos atrás. E agora, à medida que os consumidores vão implementando mais sensores e dispositivos em todas as partes da respetiva empresa, a explosão de dados é apenas o início. Este conceito, denominado “Internet das Coisas”, é um tópico comum nas minhas conversas com os clientes. Muitas empresas estão a revelar eficiências com base na forma como os dispositivos ligados influenciam as decisões com mais exatidão nas suas organizações. Um excelente exemplo disto é o principal hospital da Alemanha Siloah St. Trudpert Klinikum, que criou um sistema para integrar os dispositivos, as máquinas e as origens de dados nos blocos operatórios para melhorar os cuidados prestados aos pacientes. No entanto, é igualmente importante garantir que as empresas estão a analisar os conjuntos de dados certos, absorvendo alguns dados em tempo real e deixando outros dados no dispositivo ou permitindo uma comunicação máquina a máquina. Esta estratégia (compreender quais os dados que precisam de ser absorvidos vs. ignorados) é quando a “Internet das Coisas” passa a ser realidade. Será um grande negócio em 2014.
“BYOD ao contrário” Muitos de nós temos visto em primeira mão a forma como um local de trabalho móvel pode esbater as fronteiras entre a vida pessoal e a vida profissional. O profissional em movimento dos nossos dias não está preso a um PC numa secretária de um escritório convencional. Ele move-se entre múltiplos dispositivos ao longo dos seus dias de trabalho sabendo que poderá aceder às suas definições, dados e aplicações. A Forrester estima que quase 80% dos trabalhadores gastam pelo menos alguma parte do seu tempo de trabalho fora do escritório e 29% dos funcionários gerais podem ser caracterizados como profissionais de informação “em qualquer local, em qualquer altura”. Esta tendência tinha o nome de “traga o seu próprio dispositivo” ou “BYOD” (bring your own device). Mas agora estamos a constatar o contrário. Nas minhas conversas com os clientes, os dispositivos seguros e aptos para o negócio estão a ter tanta qualidade que as organizações estão a implementar centralmente soluções de mobilidade que são igualmente eficazes no trabalho e no entretenimento. Um exemplo disso é a Delta Airlines, que distribuiu 19.000 telefones Nokia Lumia 820 pelos seus assistentes de bordo e equipou 11.000 pilotos com dispositivos Surface para substituir os sacos de voo eletrónicos. A Delta espera poupar 11 milhões por ano com estas implementações. É uma altura excelente para apostar na mobilidade em 2014.
O Desenvolvimento da Rede Social para Empresas. Há dois anos, os clientes diriam que estavam preocupados com as tecnologias sociais no local de trabalho porque era muito arriscado e não viam a recompensa. No entanto, hoje eu tenho uma conversa sobre redes sociais para empresas em quase todas as reuniões. A diferença profissional para muitos clientes resulta da capacidade de responder rapidamente à mudança de sentimento do cliente de uma forma que faça sentido. Para isso, é necessário que os empregados em todos os níveis da organização tenham algum poder concreto sobre o negócio através do uso de ferramentas que lhes permitam ligações mais sólidas uns com os outros e com os clientes. A maior parte de nós já tem algum contacto com redes sociais como o Facebook, LinkedIn ou Twitter. Mas o que acontece quando as empresas utilizam com êxito as redes dos empregados e dos clientes para obter conhecimentos aprofundados do negócio que os distinguem da concorrência? Muita coisa acontece. Um exemplo disso é a Red Robin, um restaurante de hamburgers gourmet, que implementou o Yammer como uma forma de acelerar as respostas aos pedidos dos clientes através de servidores orientados para os clientes. Suavizar as comunicações internas como esta pode poupar dinheiro, dar mais capacidades de resposta às empresas e um percurso de expansão rápido. Algumas empresas até revelam grandes melhorias na moral quando a comunicação é aberta e generalizada. . Algumas redes sociais estão totalmente infiltradas na estrutura das interações desta geração. As empresas que conseguem acompanhar esta tendência em 2014 aumentarão as suas capacidades de disponibilizar resultados empresariais significativos.
Criar Novos Modelos de Negócio com a Cloud. O tema em torno da informática em cloud mudou de “se” para “quando”. Muitas empresas, inicialmente influenciadas pela necessidade de reduzir custos, viram na informática em cloud uma forma de mover as cargas de trabalho não críticas como as mensagens e o armazenamento para um modelo baseado em cloud e mais rentável. No entanto, o maior benefício resultará dos clientes que identificam e fazem crescer os novos modelos de receitas permitidos pela cloud. A cloud fornece uma forma exclusiva e sustentável de adicionar valor comercial, inovação e distinção competitiva – todos estes pontos são críticos num mercado global que exige mais mobilidade, flexibilidade, agilidade e melhor qualidade na empresa. Um excelente exemplo disso é a Atea, um fornecedor de infraestruturas de TI líder dos mercados nórdico e báltico, que utilizou o Windows Azure para tirar partido de uma nova oportunidade de negócio com um investimento mínimo inicial.
Criar momentos inesquecíveis para clientes. Além destas tendências emergentes que estão a moldar e a definir o cenário da tecnologia e do negócio, as empresas querem saber como podem explorar da melhor forma estas informações, estes dados e as suas tecnologias para atraírem os seus clientes e alimentarem as relações duradouras. Com os consumidores atuais mais esclarecidos, informados e ligados com acesso instantâneo a informações e canais sociais, as empresas precisam de apressar o seu nível de serviço e suporte para dar resposta às necessidades em crescimento do cliente competente. As empresas bem-sucedidas, como a Pandora, conseguem utilizar a tecnologia para criar momentos inesquecíveis para os clientes, uma filosofia que vai desde os retalhistas que vendem os seus produtos aos consumidores que os compram.
Para aquelas empresas que estão dispostas a adotar as tendências chave do futuro, o sucesso residirá algures entre a respetiva capacidade de solucionar problemas, aproveitando ao mesmo tempo novas tecnologias para realizar melhores resultados de negócio. Estou otimista em relação a 2014 e contente por ver como os clientes da Microsoft continuarão a adotar estas tendências tecnológicas para o sucesso da empresa.