Relevância para a ciência

Apoio a institutos viabiliza a dedicação de profissionais a temas importantes para toda a sociedade

Sem pesquisa não há inovação! Por isso mesmo nós mantemos convênios com institutos e agências de fomento com a intenção de viabilizar o trabalho de cientistas que estudam temas de relevância nacional. Assim, acreditamos apoiar projetos e promover a colaboração para que a inovação esteja presente nos diferentes aspectos da sociedade.

Uma excelente amostra dessa premissa colocada em prática é o MSR-FAPESP Institute, resultado da parceria entre a Microsoft Research e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. O intuito do programa é promover o avanço em áreas críticas para a humanidade, como mudanças climáticas, bioenergia, biodiversidade, etc. E a utilização da tecnologia nesses estudos permite aos pesquisadores investigarem novos cenários com muito mais eficiência, pois disponibiliza novos mecanismos de instrumentação que possibilitam a análise de grandes volumes de dados em curto intervalo de tempo.

Em 2011, escolhemos quatro novos projetos para apoiar financeiramente. O e-fenologia combina pesquisa em Ciências da Computação e Fenologia (ramo da ecologia que estuda o ciclo de desenvolvimento de seres vivos e sua relação com as condições do ambiente, como temperatura, luz, umidade, entre outros). Outro trabalho usa as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) para ajudar pessoas com distúrbios neurológicos e psiquiátricos e melhorar a interação entre os profissionais de saúde.

Mais uma análise selecionada visa entender, a partir de modelagem matemática e computacional, como os processos biológicos ocorrem e como é possível prevenir que eles aconteçam — para evitar doenças, por exemplo. Por fim, mas não menos importante, a utilização de sensores para monitoramento do clima relaciona o desempenho de genótipos em função de variações atmosféricas para possibilitar a expansão da cultura de cana-de-açúcar no Brasil para regiões mais secas.

E como, para nós, a promoção da inovação exige compromisso de longo prazo, o acordo de cooperação com a FAPESP já dura cinco anos. Nesse período, o investimento total, incluindo aportes de parceiros, foi de R$ 5,3 milhões para 15 projetos científicos. Desses, cinco estão concluídos, outros seis em andamento, além dos quatro recém-iniciados.