Pesquisar em Segurança Microsoft
Pesquisar em Microsoft.com

Proteção para a Família

Ensine sua família a usar a Internet com mais segurança com estas orientações. Conheça as configurações de segurança dos produtos Microsoft.

Como ajudar seus filhos a usar sites sociais com maior segurança

Como ajudar seus filhos a usar sites sociais com maior segurança

Atualmente, grande parte das crianças faz pouca distinção entre vida real e vida virtual. Elas podem usar sites sociais destinados a crianças, como o Webkinz ou Club Penguin, ou sites sociais concebidos para adultos, como o Windows Live Spaces, YouTube, MySpace, Flickr, Twitter, Facebook e outros. O que quer que estejam fazendo, elas devem entender que muitas dessas páginas podem ser vistas por qualquer pessoa com acesso à Internet.

Crianças podem usar esses sites para:

  • Bate-papo

  • Jogar jogos

  • Postar e ver fotos e vídeos

  • Blog

  • Postar um perfil online

Infelizmente, algumas informações que as crianças postam em suas páginas também podem deixá-las vulneráveis a golpes de phishing , cyberbullying e predadores da Internet. Eis algumas maneiras de ajudar seu filho a usar sites sociais com mais segurança.

  • Converse com seu filho sobre as experiências dele. Incentive seu filho a conversar com você caso encontre em um desses sites algo que o faça sentir-se ansioso, desconfortável ​​ou ameaçado. Permaneça calmo e lembre seu filho de que não haverá problemas se quiser contar algo. Demonstre que você trabalhará com ele para ajudá-lo a resolver a situação de uma forma positiva.

  • Estabeleça suas próprias regras de internet em casa Assim que seu filho começar a usar a Internet sozinho, é uma boa ideia criar uma lista de regras para a utilização da Internet que todos concordem. Essas regras devem estabelecer se seu filho poderá usar sites de redes sociais e de que forma. Para mais informações sobre criação de regras, consulte Use contratos familiares para ajudar a proteger seus filhos online .

  • Verifique se seu filho segue os limites de faixa etária do site. A idade recomendada para se inscrever em sites de redes sociais geralmente é a partir de 13 anos. Se seu filho estiver abaixo da idade recomendada para esses sites, não permita que ele use os sites. É importante lembrar que você não pode contar com os serviços em si para impedir a inscrição do seu filho menor de idade.

  • Informe-se sobre o site. Avalie os sites que seu filho planeja utilizar e assegure-se de que seu filho e você entenderam a política de privacidade e o código de conduta. Descubra se o site monitora o conteúdo postado pelos usuários. Verifique periodicamente a página de seu filho. Para mais sugestões, consulte Dicas sobre o uso de blogs para pais e filhos .

  • Insista para que seu filho nunca se encontre pessoalmente com alguém com quem se comunique apenas online, e incentive-o a se comunicar apenas com pessoas que ele conhece pessoalmente. As crianças correm perigo real ao encontrar estranhos pessoalmente com quem se comunicaram apenas online. Você pode ajudar a proteger seu filho incentivando-o a usar esses sites para se comunicar com seus amigos, mas não com pessoas que nunca encontrou pessoalmente.
    Talvez não seja suficiente simplesmente dizer a seu filho para não conversar com estranhos, pois para ele, alguém que ele “encontrou” online pode não ser um estranho. Para obter mais orientações sobre como proteger seus filhos na Internet, consulte Predadores online: O que pode ser feito para minimizar o risco .

  • Diga a seu filho para não usar nomes completos. Faça com que seu filho use apenas o primeiro nome ou um apelido, mas não um apelido que possa atrair atenção inadequada. Não permita também que seu filho poste o nome completo dos amigos.

  • Fique atento a outras informações identificáveis no perfil de seu filho. Vários sites sociais permitem que as crianças entrem para grupos públicos cujos participantes frequentam uma certa escola.
    Fique alerta quando seu filho revelar estas e outras informações que possam ser usadas para identificá-lo, como o mascote da sua escola, seus locais de trabalho ou o nome da cidade em que mora. O excesso de informações pode deixar seu filho vulnerável a bullying online, predadores na Internet, fraudes na Internet ou roubo de identidade. Para mais informações, consulte Reconheça golpes de phishing e e-mails falsos .

  • Considere o uso de um site que não seja muito público. Alguns sites permitem que você proteja seu site com senha ou use outros métodos para ajudar a limitar os visitantes a apenas aqueles que seu filho conhece. Com Windows Live Spaces, por exemplo, você pode configurar permissões para quem visitar seu site, desde qualquer usuário da Internet até apenas as pessoas que você selecionar.

  • Fique atento aos detalhes nas fotografias. Explique ao seu filho que as fotografias podem revelar muitas informações pessoais. Incentive seu filho a não publicar fotos de si mesmo ou de seus amigos com detalhes identificáveis, como placas de rua, placas de carro ou o nome da escola no uniforme.

  • Previna seu filho para que não expresse emoções a estranhos. Provavelmente você já alertou seu filho para não se comunicar com estranhos diretamente online. Entretanto, as crianças usam sites sociais para escrever diários e poemas que expressam frequentemente emoções fortes. Explique ao seu filho que muitas dessas informações podem ser captadas por qualquer pessoa que tenha acesso à Internet e que os predadores, em geral, procuram crianças emocionalmente vulneráveis. Para mais informações, consulte coisas que você pode ensinar às crianças para aumentar sua segurança na internet .

  • Ensine seu filho sobre bullying online. Assim que seu filho começar a usar sites de rede social, converse com ele sobre cyberbullying. Diga-lhe que, se ele achar que está sofrendo bullying online, deverá contar isso imediatamente a um dos pais, a um professor ou outro adulto no qual ele confie. É importante também incentivar a criança a se comunicar com outras pessoas online da mesma forma como ela o faz pessoalmente. Peça à criança para tratar outras pessoas da maneira como ela gostaria de ser tratada.

  • Remoção da página de seu filho. Se o seu filho se recusar a respeitar as regras que você definiu para ajudar a proteger sua segurança e você já tentou ajudá-lo a mudar de atitude, é possível contatar o site social que seu filho usa e solicitar a remoção da página. Também pode ser interessante investigar ferramentas de filtragem para Internet (como Proteção para a Família do Windows Live ) como um complemento, mas não como substituto da supervisão dos pais.

Deseja saber mais sobre como ajudar a proteger seu filho na internet? Consulte Crianças e a Internet: Perguntas frequentes .